Princípios básicos para uma boa adoção

A cultura FinOps, como qualquer outra, demanda conhecimento, não só conceitual, mas principalmente prático, que permita a sua implantação com sucesso.


Isto vai desde a sua concepção, enquanto prática corporativa, até a sua sustentação, através de frameworks preparados para todo o ciclo de gestão e controle.


Contudo, este deve seguir princípios básicos de adoção para que efetivamente funcione, e bem.


Tais princípios organizam-se como diretrizes que precisam ser seguidas, atingindo assim os objetivos esperados.

Princípios básicos para uma boa adoção FinOps

As equipes precisam colaborar

  • O Financeiro deve acompanhar a velocidade e a granularidade da área de TI;
  • Os custos agora entram como uma nova métrica de eficiência operacional;
  • A melhoria contínua deve ser aplicada para ganhar eficiência e inovação;
  • Uma governança, aliada à controles, deve ser adotada para o bom uso da nuvem.

Nada funciona em FinOps sem cooperação colaborativa. E isto deve seguir os conceitos de uma metodologia ágil, onde não haja uma hierarquia vertical, mas uma colaboração horizontal, onde todos opinem e todos participem das decisões, agilizando os ajustes necessários para se obter o melhor cenário.

Todos se apropriam do uso da nuvem

  • Capacite as equipes de recursos e produtos para gerenciar melhor o seu próprio uso da nuvem em relação ao seu orçamento;
  • Obtenha visibilidade dos gastos na nuvem em todos os níveis da sua empresa;
  • Acompanhe as metas em nível de equipe para impulsionar a responsabilidade de cada uma.

Aquela história de que não é meu, aqui não cola mais. Todo o ambiente é responsabilidade
de todos e todas as decisões tomadas são, conjuntamente, responsabilizadas nos times
envolvidos. Assim, o comprometimento de sucesso é certo, já que a visibilidade alcançada
também será de todos os integrantes.

Uma equipe centralizada impulsiona o FinOps

  • Centralizar a governança e o controle das possibilidades de descontos por uso contínuo, instâncias reservadas e por volume/personalizados com os provedores de nuvem;
  • Centralizando, elimina-se negociações de taxas baseadas na operação;
  • Uma equipe centralizada permitirá a alocação granular de todos os custos, diretos ou compartilhados.

Um CCoE (Centro de Excelência em Nuvem) deve ser o coração da gestão FinOps. Nele,
um squad FinOps especializado deve estar sempre à disposição dos demais integrantes
para apoiar nos conceitos e a prática da cultura, garantindo o melhor cenário para a
aquisição e uso dos recursos computacionais em nuvem.

Os relatórios devem ser acessíveis e oportunos

  • Feedback rápidos e contínuos permitem um comportamento mais eficiente;
  • A visibilidade em relatórios permitirá ajustar recursos sub ou superprovisionados;
  • Alcançar a melhoria contínua através da automação de aquisição e uso de recursos.

Sugerimos, neste ponto, um framework capaz de concentrar os KPI’s e gerenciá-los, gerando os alertas proativos necessários de ajustes em tempo real.
Consulte o LightHouse e o AutoFix para isto em https://piercloud.com.br/ .

As decisões são orientadas pelo valor comercial da nuvem

  • Entender as causas dos aumentos dos custos através de uma análise de tendências e variações;
  • Impulsionar as melhores práticas e comemorar as vitórias através de um benchmarking interno das equipes;
  • Melhorar o desempenho do negócio através de benchmarking de mercado (empresas similares ou afins).
  • Não basta estar operacionalmente eficiente, é preciso saber o valor comercial da nuvem e tangibilizá-lo para os times envolvidos, dando o tamanho da grandeza da responsabilidade.

Aproveite o modelo de custo variável da nuvem.

  • Impulsionar os níveis de aquisição e uso de recursos mais apropriados através do redimensionamento de instâncias e serviços;
  • Conquistar melhores decisões através da comparação de preços entre players, serviços e preços.


Conhecer para usufruir. Este é um lema de FinOps.


Saber onde estão as possibilidades de economia, aplicá-las na medida certa, usufruindo de todas as promoções e possibilidades de redução de custos, deve ser uma busca diária e incansável do squad FinOps.

Veja que os princípios básicos da cultura FinOps são fundamentais para que os demais pilares (Fases, Domínios, Personas e Maturidade) se sustentem na metodologia. Aplicá-los num Centro de Excelência em Nuvem deve ser uma premissa, promovendo a rotina diária de governança tão necessária para manter os custos sob controle.


Aplique os princípios básicos da cultura FinOps em sua organização e sinta as diferenças nos resultados operacionais em curto espaço de tempo.

PIER CLOUD – Especialistas em FinOps
Sendo a prática FinOps uma cultura desenvolvida pela FinOps Foundation, todo o crédito de fases informada neste modelo é, por direito, dela, disponível em https://www.finops.org/ e foram adaptadas para melhor entendimento, seguindo fielmente os conceitos determinados na sua publicação original.

Scharan

Scharan